terça-feira, 26 de outubro de 2010

Morre o jornalista Juarez Conrado. 

Natural de Salvador (Ba), Juarez estava há 30 anos em Sergipe. Pouco antes do lançamento de mais um livro sobre Lampião, o jornalista foi hospitalizado.


(Foto: Jornal Cinform)

O jornalista e ex-deputado estadual Juarez Conrado Dantas faleceu por volta das 21h desta segunda-feira, 25 em Aracaju vítima de insuficiência respiratória. Nasceu na cidade de Salvador (Ba), mas morava há 30 anos na capital sergipana, tendo exercido cargo no Governo de João Alves Filho.

Juarez Conrado se formou em Contabilidade. Atuou na Câmara Municipal de Salvador e foi editor de política, redator, chefe de reportagem, secretário de redação e colunista do jornal A TARDE, tendo sido o diretor da Sucursal Sergipe.

O jornalista estava se preparando para lançar o livro “Lampião: Assaltos e Morte em Sergipe” em solenidade no Museu-Palácio Olímpio Campos, mas dias antes, foi hospitalizado. O livro aborda a passagem do cangaceiro por 16 municípios sergipanos. É ainda de sua autoria “A Última Semana de Lampião”, que foi adaptado para o cinema, tendo sido premiado no Festival Cinematográfico de Cuba.

Juarez deixa esposa e oito filhos [entre eles, a repórter do A TARDE, Rita Conrado]. O corpo está sendo velado no Velatório Osaf e o sepultamento está marcado para às 15h desta terça-feira, 26 no Cemitério São Benedito, em Aracaju.

Por Aldaci de Souza
Fonte: Infonet

Confira AQUI  na edição do Cinform Online a reportagem completa sobre o livro que Juarez Conrado iria lançar.

2 comentários:

João de Sousa Lima disse...

Morre um dos grandes escritores do cangaço.
Juarez Conrado foi um amigo que só conheci por telefone e pela internet, estávamos ajustando um capítulo para fazer parte desse livro que seria lançado. Que pena não o ter conhecido pessoalmente. que ele descanse em paz e que sua família encontre forças para superar a perda e que Deus dê o conforto para um momento tão dificil.

Mendes e Mendes disse...

O pesquisador e colecionador do cangaço, Ivanildo Alves da Silveira, disse em um dos seus textos que o jornalista Juarez Conrado, teve a honra de conversar pessoalmente com o respeitado coiteiro de Lampião, o Manoel Félix, antes da chacina que vitimou Lampião, Maria Bonita e mais nove cangaceiros, no dia 28 de julho de 1938, na Grota de Angicos.
Eu, como estudante do cangaço, desejo que Deus o ampare no seu reino celestial.
José Mendes Pereira - Mossoró-Rn.