segunda-feira, 30 de setembro de 2019

Não pode faltar em sua coleção

"Vida e morte de Isaías Arruda - Sangue dos Paulinos, abrigo de Lampião"

Resenha de Raul Meneleu




O livro é dividido em duas partes, sendo que a primeira, trata da vida de Isaías Arruda, a segunda, sobre a sua morte e o que se deu depois. Nesse livro o Confrade João Tavares Calixto Júnior, caririense de Aurora no Ceará, que em sua formação acadêmica no sentido profissional é Professor Doutor na Universidade Regional do Cariri - URCA e também é membro de diversas agremiações culturais onde recentemente foi convidado para a Academia Brasileira de Letras e Artes do Cangaço – ABLAC. É autor de diversos livros, conforme relação em sua biografia.

Pois bem, em "Vida e morte de Isaías Arruda - Sangue dos Paulinos, abrigo de Lampião" Calixto alcança ações do Coronel Menino com uma pesquisa profunda, como faz em seus demais escritos, trazendo o mundo do cangaço no Cariri Cearense, com nomes e ações de cangaceiros, que a maioria dos estudiosos da saga desconhece. Mostra ações dos diversos grupos de cangaceiros, inclusive o de Lampião com o famoso ataque à cidade de Mossoró, trazendo informes sobre outras autoridades mossoroenses que tiveram importância na defesa da cidade.

Calixto também traz fotografias raras de cangaceiros e de influentes políticos da região caririense, não deixando de expor fotos da família do Coronel Isaías Arruda, como a de sua bonita esposa.

Lemos nessa magnífica obra, que não pode faltar na biblioteca dos pesquisadores, a vida curta, porém influente e repleta de casos, de um Coronel sertanejo que atuou na política cearense, com ecos nos jornais de todo o país e que conquistou a patente na força da valentia e armas.

Tomou a prefeitura à bala, foi o primeiro Prefeito Eleito de Missão Velha e ficou conhecido como grande empreendedor. Tratado como Coronel até aos 28 anos de idade, quando foi morto a balaços por dois membros da família Paulino.

Um comentário: