quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

A Violência Discutida em Noite na Saraiva MegaStore

Flagrantes e resumo sobre a Noite Cariri Cangaço - GECC na Saraiva do Iguatemi de Fortaleza/CE

Aconteceu na noite de terça-feira, dia 07, mais uma reunião do Grupo de Estudos do Cangaço do Ceará-GECC e Cariri Cangaço, reunindo ainda membros da SBEC - Sociedade Brasileira de Estudos do Cangaço, Polícia Militar do Estado do Ceará, dentre outros.

A noite teve seu início com a apresentação do Vídeo Documentário da Laser Vídeo "A Violência Oficializada no Tempo do Cangaço" de Aderbal Nogueira, com depoimentos importantes de remanescentes daquela época, pertencentes aos quadros da polícia, como Neco da Pautilha, Sargento Elias e Tobias Valão, além de "seu" Luiz de Cazuza. Os depoimentos versavam sobre a violência institucionalizada por parte das volantes que perseguiam os bandos cangaceiros.

 Presenças ilustres de Paulo Gastão e Juliana Ischiara.

 
Pesquisadores, Alfredo Bonessi, Edilson e Comendador Mariano.

Ricardo Albuquerque (Aba Film) e Ângelo Osmiro.

Após a apresentação do Documentário tivemos um grande debate envolvendo os presentes, com destaque para a participação dos representantes da Polícia Militar do Estado do Ceará, o Relações Públicas da PM, Major Marcos Costa e o pesquisador e escritor, Coronel Holanda.
Para o Major Costa, "é importante verificar as circunstancias em que estavam envolvidos aqueles que dedicavam sua vida na defesa da sociedade da época, um ambiente hostil , onde a vida estava sempre por um fio. No caso dos excessos cometidos pela polícia, entendemos que nos dias de hoje temos muito mais mecanismos de identificar esses excessos e puní-los, pois a corporação prima pela segurança do cidadão em sua integridade". Já o Coronel Holanda ressaltou que "atualmente temos muito mais condições de preparar bem nossos homens, com as Academias de Polícia, com os muitos profissionais gabaritados, coisa que na época do cangaço não acontecia".

 Major Marcos Costa, RP da Polícia Militar do Ceará.

 
 Jormalista Barros Alves, editor da NE21 e Manoel Severo.

 
Lívio Ferraz e Ângelo Osmiro.

Para Aderbal Nogueira é "importante ter o cuidado no que diz respeito à análises sobre a ação do polícia da época, quando muitas vezes passavam meses dentro do mato, com fome e com sede, em busca dos vários bandos de cangaceiros e acabavam também se submetendo a essa grande pressão que reinava nos sertões daquela época". Para Aderbal Nogueira é importante valorizar e reconhecer o fantástico trabalho que a Polícia desenvolveu e vem desenvolvendo, haja visto a ação forte e eficaz no combate ao tráfico de drogas nos morros cariocas, nos últimos dias.

Aderbal Nogueira no momento de sua Conferência.

 
Coronel Holanda, entre Jussara Macedo, de Aurora e Wilton Dedê.

Cineasta Cláudio Junior e Arlindo Barreto.

 
 Pesquisadores Juliana e Júlio Ischiara.

Para Manoel Severo "essa noite vem mostrar que estamos no caminhos certo, as muitas e honrosas presenças dos membros do GECC - Cariri Cangaço e da nossa querida SBEC, com seus ex-presidentes, Paulo Gastão e Ângelo Osmiro, só aumentam nossa responsabilidade, no mais é dizer o sucesso da noite, com um espetacular e qualificado debate sob a coordenação do grande amigo Aderbal, à exemplo de nosso primeiro encontro, quando Renato Cassimiro nos deu uma aula sobre Padre Cícero. Agora é esperar Janeiro, vem mais Cariri Cangaço - GECC por aí".

Gabriel Henrique e Aderbal Nogueira.

 Pesquisador e Membro do Conselho da SBEC, Tomaz Cisne.

 Pesquisador Alfredo Bonessi.

 
Empresário Ricardo Albuquerque

Nenhum comentário: