quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Eitcha cambada...

  Que 2010 já tá no meio da beirada!

Eu respeito a crendice dos ateus
E a descrença que mora nos beatos
O atrativo daqueles que são chatos
E o modesto que às vezes se acha Deus.

Reconheço o valor dos versos meus
E a sujeira que habita a mente pura
A pureza que mora na mistura
E a discórdia que mora no consenso.

Deus conserve pra sempre meu bom senso
Temperado à pitadas de loucuras

Eu respeito as hipócritas verdades
E o valor natural dos imperfeitos
Pois somente através dos seus defeitos
Poderão destacar as qualidades.

Reconheço o valor das falsidades
E a mentira que mora em cada jura
Tanta lágrima mole em cara dura
Que eu já nem ofereço mais meu lenço.

Deus conserve pra sempre meu bom senso
Temperado a pitadas de loucuras

Eu respeito o lamento dos contentes
E a alegria que mora em todo pranto
O pecado que mora em cada santo
E o temor que apavora os mais valentes.

Reconheço a moral dos indecentes
E o sabor palatável da amargura
O azedume que mora na doçura
E a fumaça que limpa pelo incenso.

Deus conserve pra sempre meu bom senso
Temperado a pitadas de loucuras

Eu respeito a breguice do elegante
E a desordem na mente do analista
O desanimo mora no otimista
E a inocência namora o meliante.

Reconheço a modéstia do arrogante
E o maestro que odeia partitura
O erudito que foge da leitura
E o aluno que adora ser suspenso.

Deus conserve pra sempre meu bom senso
Temperado à pitadas de loucuras

Eu respeito a vontade do capacho
E o sucesso de todo o fracassado
A macheza do homem delicado
E a porção delicada do homem macho.

Reconheço a elegância do esculacho
E o poder criador da criatura
A coragem que mora na paúra
E o valor da derrota quando venço.

Deus conserve pra sempre meu bom senso
Temperado à pitadas de loucuras

Eu respeito a esperteza que há no tolo
E a tolice que mora em cada sábio
O mau jeito que mora no mais hábil
Jubileu celebrado sem o bolo.

Reconheço a desculpa para o tolo
E o valor nutritivo da gordura
A doença saudável que nos cura
E a paixão que parece amor intenso.

Deus conserve pra sempre meu bom senso
Temperado à pitadas de loucuras.

Eu respeito a doidera do careta
Lucidez que se mostra no maluco
A memória que mora no caduco
E o fantasma que mora na gaveta.

Reconheço o caráter da mutreta
E a beleza que mora na feiúra
Pilantragem que mora na lisura
E a pressão 10 por 8 do hipertenso.

Deus conserve pra sempre meu bom senso
temperado à pitadas de loucuras.

Eu respeito o sorriso do sisudo
E a tristeza que mora na risada
Quem é tudo, mas diz que não é nada
Quem é nada, mas diz que sabe tudo.

Reconheço a grandeza do miúdo
E a umidade que mora na secura
Noite em claro que ofusca noite escura
E a incerteza que mora no que eu penso.

Deus conserve pra sempre meu bom senso
Temperado à pitadas de loucuras.
 

*Autoria ainda desconhecida. 
Quem souber entregue aí.



2 comentários:

Danilo Cruz Manga disse...

Eu desconheço o autor, mas é muito boa! Os versos trilham um cordel mas se se encaminha pra algo mais arrojado. Mas, a alma do cordel está presente! O jeito cangaçeiro de versar, de ser!

http://purasubstancia.blogspot.com/

Sanbahia disse...

Eitha coisa boa de se ler. Parabéns , affe, num é qui me arrepiei. Bunitim dimais da conta.
Filiz 2011 com muita prosa e verso.