sexta-feira, 30 de julho de 2010

Rio Preto

A revolta extrema de um negro humilhado 

Por: José Romero Araújo Cardoso (*)

Luiz era seu nome de batismo, mas foi imortalizado tragicamente nas crônicas da violência do século dezenove pelo apelido cangaceiro de Rio Preto. Não tinha bando próprio, agia sozinho, pois preferiu destilar seu ódio solitário pelas quebradas do sertão.

Luiz nasceu em Pombal (PB), foi criado, melhor dizer acolhido na humilhação extrema, pelo sacerdote católico Amâncio Leite, que não poupou em nenhum momento o pobre Luiz das mais vexatórias e ignominiosas manifestações de escárnio visando massagear ego doentio condicionado pelo histórico racismo que marca o imaginário de pessoas sem formação e detentor de falsa devoção a Deus, que não difere negros, brancos, amarelos ou vermelhos.

Não seria de estranhar que nêgo Luiz despertasse revolta incontida contra a sociedade de sua época. Ganhou as caatingas sertanejas feito fera bravia sem limites para a violência que disseminou.

Sequestrava mocinhas brancas, seviciava-as e depois de torturá-las ao extremo, reservava-lhes morte cruel e desumana. O covil no qual se homiziava era cheio de ossos dessas infelizes que tiveram a desdita de cair em suas garras tenebrosas.

Imitava com invulgar perfeição o rincho de um jumento, razão pela qual o terror era instalado no coração das pessoas quando ouviam o som estridente do animal que conduziu Jesus quando da fuga para o Egito, fugindo das perseguições romanas impostas por Herodes.

Rio Preto foi um cangaceiro semelhante a Lucas da Feira, cuja perversidade marcou época na Bahia. O modus operandi de ambos foi marcado pela ferocidade como agiam, pela forma como extravasou o ódio contra as estruturas da sociedade de suas épocas.

Diziam que Rio Preto tinha feito pacto com o demônio, pois se propalou que o cangaceiro era imune a facas e balas, nada o atingia, pois além de tudo era dotado de "encantamentos", transformando-se em tocos ou pedras quando alguma força volante estava em diligência a fim de capturá-lo.

Rio Preto tinha inúmeras mortes nas costas, era o terror de Pombal (PB) e áreas fronteiriças das Províncias Parahybana e norte-riograndense. A ira implacável de nêgo Luiz fez muitos sertanejos tremerem de medo durante décadas.

Afirmo categoricamente que o responsável pela gênese do malvado cangaceiro paraibano foi o Padre Amâncio Leite. Esse foi o principal responsável pelo terror instalado no sertão devido a forma extremamente perversa como tratou a criança desde a mais tenra idade, infringindo-lhe castigos terríveis que forjaram a personalidade doentia e criminosa de Rio Preto.

Mas nêgo Luiz não tinha o corpo fechado como se dizia. Responsável pela morte de um fazendeiro em Pombal (PB), Rio Preto foi alvo de uma tocaia montada pelos filhos do sertanejo assassinado. Chovia aos tântaros quando os adolescentes escalaram os clavinotes em direção ao cangaceiro. Haviam colocado algodão nas agulhas das armas, para facilitar os disparos na enxurrada.

A fama de mau de Rio Preto era tão conhecida que os dois rapazes não esperaram para constatar se havia consumado a vingança. Mas Rio Preto resistiu com estoicismo aos disparos, sendo encontrado por forças policiais estertorando. Conduzido à cadeia de Pombal (Foto abaixo), considerada a mais segura do sertão setentrional, Rio Preto faleceu em uma das celas, morrendo sem se arrepender dos crimes abomináveis que cometeu em suas estrepolias violentas pelas veredas da terra do sol.
 

(*) José Romero Araújo Cardoso. Geógrafo. Professor-adjunto do Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Especialista em geografia e Gestão Territorial e em Organização de Arquivos. Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente. Membro do Instituto do Oeste Potiguar (ICOP). Contato: romero.cardoso@gmail.com.

3 comentários:

José Mendes Pereira disse...

Ninguém se esconde de ninguém para toda vida. Fez muita coisa ruim, pensando nunca pagar por isso.

Mas infelizmente foi baleado e posteriormente morreu na cadeia de Pombal.

Foi destino?
Foi justiça de Deus?

Ninguém sabe. O certo é que Rio Preto partiu depois de tantas maldades feitas contra os pobres e infelizes sertanejos, que geralmente são os primeiros a serem as verdadeiras vítimas.

Este é um excelente trabalho, professor José Romero Cardoso. Parabéns!

José Mendes Pereira - Mossoró-RN.

Geraldo Ismael Lacerda disse...

Amigo, o post está muito bom. Há, porém, um equívoco na grafia do nome do rei que mandou perseguir Jesus: puseste Heródoto, o grego intitulado Pai da História, em vez de Herodes. Percebe-se, claramente, ante à reconhecida erudição, que o lapso consistiu em mera distração.

Kiko Monteiro disse...

Prezado Geraldo sua observação é muito bem vinda. O texto não é de nossa autoria, confesso que não havia reparado este detalhe antes de publica-lo. Como administrador é nosso dever e tomei a liberdade de efetuar a correção.

Muito obrigado
Att Kiko Monteiro