quarta-feira, 20 de abril de 2011

Pesquisadores descobrem relíquia de Jesuíno Brilhante 

O Pesquisador do Cangaço Epitácio Andrade e o Dramaturgo Ricardo Veriano descobriram uma relíquia que pode ter pertencido ao cangaceiro potiguar Jesuíno Brilhante, que nasceu no Sítio Tuiuiú na zona rural de Patu, RN, em 02 de janeiro de 1844, e morreu em dezembro de 1879, no lugar denominado Serrote da Tropa, na comunidade Santo Antônio, no município paraibano de São José de Brejo do Cruz.              
        


Pesquisadores ressaltam descoberta cultural. Foto: Cleiton Fernandes    
                 
A descoberta começou durante as pesquisas que fundamentaram a elaboração do “Auto de Jesuíno”, de autoria de Ricardo Veriano, apresentado na Feira da Cultura de Patu, no período de 2001 a 2008, quando o autor foi presenteado com um pequeno punhal, que passou a utilizá-lo como elemento cênico da obra teatral.
                  
Durante certo tempo, o teatrólogo deixou a relíquia sob a guarda de amigos. Posteriormente, o pesquisador Epitácio Andrade localizou, no Guia Quatro Rodas, edição de 2008, o apetrecho do cangaceiro, já fazendo parte do acervo museológico da Pousada Morada Nova, do antiquário Bina Toscano, localizada no km 05 da BR 226, na zona rural de Currais Novos, no Seridó Potiguar.
                            

Relíquia do Cangaceiro Jesuíno (Reprodução: Guia Quatro Rodas)
                   
Para o psiquiatra Epitácio Andrade, a descoberta deste objeto vem reforçar a estratégia de desenvolver “Lugares de memória” do cangaço, como recomenda a Professora Lúcia Souza, autora da dissertação de mestrado: “Seguindo os Passos do Cangaceiro Jesuíno Brilhante no Oeste do Rio Grande do Norte e Fronteira Paraibana”, aprovada com distinção, na capital paraibana, em dezembro do ano passado, na Pós-graduação de Geografia da Universidade Federal da Paraíba.
                         

Professora Lúcia defende lugares de memória do cangaço. (Foto: Tiara Andrade)
                    
Defensor do resgate do protagonismo histórico dos algozes de Jesuíno, “Os Limões”, Andrade afirma que a relíquia pode ter sido preservada por descendentes deste clã, por outro lado, o fato de ter feito parte, como elemento cênico, da mais importante obra teatral produzida sobre o mais famoso cangaceiro potiguar, justifica a desenvoltura do Sítio de memória, representado pelo acervo desta pousada rural.
                    
Buscando aprofundar as discussões teórico-práticas sobre a autenticidade da descoberta, os pesquisadores estão convidando a imprensa e interessados sobre cangaço, para um encontro frutífero e realizador, a ocorrer no próximo dia 29 de abril, a partir das 14 horas, na Pousada Morada Nova, em Currais Novos, na região do Seridó Oriental do Rio Grande do Norte.  

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ADENDO:
Independente da autenticidade da peça o Lampião Aceso se regozija com os nobres e empenhados vaqueiros da história de Jesuino. Solicitamos o apoio e prestígio dos rastejadores mais próximos especialmente os nossos confrades Ivanildo Silveira e Rostand Medeiros e principalmente o não tão próximo, mas por se tratar de um defensor da memória "Jesuinista" o confrade Júlio Schiara na possiblibilidade se fazerem presentes ao evento.  

Mais uma vez agradecemos a atenção e convite do amigo Dr Epitácio. Lamentando nossa ausencia por motivos de compromisso profissional no período. 


Att Kiko Monteiro 

Maiores informações:
Epitácio Andrade
epitacioaf@hotmail.com
(84) 9641-1044

7 comentários:

José Mendes Pereira disse...

Valeu Kiko Monteiro! Mais uma relíquia de cangaceiros para o acervo desses nossos cangaceiros do bem.
A cada dia um e outro vai trazendo mais peças para o xadrez do cangaço.
Ainda devem existir várias espalhadas por este sertão a fora.

José Mendes Pereira - Mossoró-RN.

GILBERTO CARDOSO DOS SANTOS disse...

Que bom! Tomara que se comprove a autenticidade!

-=|®ÜÞ|=- disse...

Muito boa essa pesquisa sobre o cangaço, não podemos deixar esquecidas essas historias que tantas pessoas antigas como o meu avô contou pra gente e só agora que entendi um pouco da historia do cangaço, parabéns a todos pela brilhante pesquisa....abraço.

Julio Cesar disse...

Amigo Kiko

Como é interessante os caminhos do cangaço.
Como voce sabe, sou um amante da história de Jesuino e agora estou tendo o prazer de encontrar um amigo de muitos anos atrás, o Dr. Epitácio.
Nossos caminhos se cruzaram nas lutas em prol da saúde mental e agora nos reencontramos pela história do cangaço.

Quero agradecer desde já por esse presente que o Lampião aceso me deu.

Um grande abraço

Kiko Monteiro disse...

Obrigado a todos que postaram acima.

Olha só os desencontros e reencontros da vida proporcionados por uma mesma paixão.

Mais um motivo pra vossa senhoria se fazr presente Julio.

Abraçando!

Julio Cesar disse...

Kiko meu amigo..

Vou fazer o possível para ir a esse evento, mas veja só que presente voce me deu.
Epitácio é um grande amigo de longa data, mas eu nunca poderia imaginar que ele é um amante da história do cangaço e, particularmente de Jesuino. Inclusive o cabra está escrevendo um livro sobre o cangaceiro "brilhante"... pode Freud?

Além de ter acesso a alguns livros que eu nem imaginava existir.

Abraços

Julio Cesar

Josivaldo Taranóia disse...

O 3ºcomentario foi eu que fiz e não me identifiquei por erro meu....