sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Mudou de lado

A entrevista de um suposto Ex-Cangaceiro do Bando de Lampião em 1931 


Durante o período de atuação de Virgulino Ferreira da Silva, o “Lampião” como chefe cangaceiro, chama a atenção de quem deseja conhecer a sua história através dos jornais, a quantidade de notícias que se pode encontrar na hemeroteca do Arquivo Público do Estado de Pernambuco.
 
Em alguns dos muitos jornais que circulavam em Pernambuco no período compreendido entre os anos de 1918 a 1938, quase todos os dias, principalmente entre os anos de 1922 e 1933, é difícil não se encontrar alguma notícia sobre o “rei do cangaço” e o seu bando.
 
Muitas das antigas coleções destes jornais, proveniente de diversos pontos do Estado de Pernambuco, estão devidamente encadernados e abertos à pesquisa, que pode ser feita de forma tranquila, com pessoal especializado assessorando os pesquisadores, farto material, seguindo regras básicas de manuseio e correta utilização. 


Localizado na Rua do Imperador D. Pedro II, número 371, no bairro de Santo Antônio, próximo ao Palácio do Campo das Princesas, sede do governo pernambucano, esta repartição pública é um verdadeiro oásis de informações, onde aqueles que desejam se aprofundar nas pesquisas sobre o cangaço, certamente deverão sair deste local com alguma nova informação.
 
Recentemente estive em Recife para mais uma pesquisa sobre o cangaço neste local. Manuseando cuidadosamente o grande volume onde estão encadernadas as edições do primeiro semestre de 1931, o jornal recifense “A Notícia”, na edição do dia 8 de março, que em meio a muitas notícias da famosa e malfadada tentativa do capitão-aviador Chevalier, de utilizar um avião para dar combate a Lampião e seu bando no interior da Bahia, na primeira página, traz uma nota que chama a atenção pelo título; “Lampião, O soberano Sinistro - Um Ex-Companheiro do Famoso Cangaceiro, Faz Interessantes Declarações a Imprensa Carioca”.

Capitão Carlos Chevalier
Cortesia de Nildo Alexandrino

Uma Interessante Entrevista

O jornal pernambucano transcreve uma reportagem do periódico carioca “Jornal de Notícias”, com uma entrevista do então soldado do exército brasileiro, Otaviano Pereira de Carvalho. Ele é apresentado como “um homem que conhece os esconderijos de Lampião, os seus processos, as suas táticas”.
Otaviano, informa haver nascido na cidade cearense de Iguatu, estava agora, segundo o jornal, “incorporado à civilização”. Infelizmente a entrevista não informa como se deu a sua entrada no bando.
 
Afirmou que Lampião era um “bom homem”, que vivia na espingarda, mas era educado, possuía gestos de generosidade, distribuía dinheiro com os pobres, os cegos e falava pouco.
 
Otaviano informou que no assalto a casa da baronesa o cangaceiro teria conseguido a fortuna de 150 contos de réis, brilhantes, rosários de ouro, onde o rosário principal estaria com uma suposta amante de Lampião, que vivia “na fazenda do Maxixe, em Pernambuco”. Informa o modo como a ação ocorreu através de um falso cortejo fúnebre que entrou na vila pela manhã cedo, onde as armas são retiradas de uma rede que supostamente traria um defunto, passando o grupo a atacar a casa do delegado e exterminam a vida deste militar.
 
Seguramente este pretenso ex-cangaceiro comentava sobre o famoso assalto ocorrido em 26 de junho de 1922, a casa da senhora Joana Vieira Sandes de Siqueira Torres, a Baronesa de Água Branca, moradora deste município alagoano, homônimo ao seu título de nobreza. Fato este que gerou forte publicidade para a atuação de Lampião e do seu bando.
Mas quem seria a amante da “fazenda do Maxixe”, em Pernambuco?

Detalhes sobre Lampião
 
 

O ex-cangaceiro Otaviano em nenhum momento fala algo negativo sobre seu suposto ex-chefe. Já em relação ao irmão deste, Levino, não nega palavras desaforadas;  
“Levino é um impossível. Eu queria ter um tostão, por cada moça que ele deixou a toa. É Malvado. Mata só para ver a queda”.
Sobre os protetores e coiteiros de Lampião, o então militar narrou que um certo “Véio Praxedes”, que vivia próximo à cidade de Custódia, em Pernambuco, lhe guardava muitas munições.
 
Sobre as armas o ex-cangaceiro comentou que os fuzis do bando sempre eram utilizados serrados, transformando-os em “carabinas”, tornando o amamento mais leve e ágil na sua utilização. O armeiro que deixava as armas preparadas, um “mestre” na definição de Otaviano, seria um certo ferreiro de nome “Zuza”, do município cearense de Jardim, localizado na fronteira de Pernambuco.
 
Comentou que “o melhor esconderijo de Lampião fica na Serra da Forquilha”, que teria sido descoberto pelo então falecido cangaceiro paraibano Cícero Costa. No local, Otaviano informou existir um precioso caldeirão de água. Sobre este esconderijo, existe na região da Serra do Catolé, na zona rural do município pernambucano de São José do Belmonte, em direção à fronteira paraibana, um lugar conhecido como “Serra da Forquilha”. Estaria este pretenso ex-cangaceiro comentando sobre este lugar?
 
Sobre a medicina típica do bando, ele comentou a reportagem que para ferimentos de bala, Lampião e seus comandados utilizavam água de caroá para lavar o ferimento, depois colocavam leite de favela e entre quatro a cinco dias a ferida cicatrizava satisfatoriamente.
 
A reportagem enalteceu o comentário de Otaviano sobre o fato de Lampião não haver perseguido em 1926 a Coluna Prestes, na época do governo Artur Bernardes,. Disse que o ex-chefe era francamente favorável às revoluções no país, pois nestes períodos aproveitava para “descansar das perseguições”.
Sobre a propalada pontaria de Lampião, o jornal transcreveu as palavras do militar sertanejo na íntegra; “com um ôio só faz o servicinho míó do que com dois óio,,,”. Perguntado se ele era valente, comentou que Lampião “não tem preguiça de brigar, não”.
 
Já em relação à questão de onde surgiu à alcunha de Virgulino Ferreira da Silva, o ex-cangaceiro comentou sobre uma interessante tese. Segundo ele, em uma ocasião que Virgulino estava na vila pernambucana de Nazaré, local de onde surgiram seus mais ferrenhos perseguidores, ele teria feito um grande escarcéu, “quebrando todos os lampiões que existiam no lugar” e daí surgindo o nome que tornaria este cangaceiro famoso. Aqui temos uma versão bem diferenciada e original da origem do apelido.
 
Sobre a ação da polícia, chama a atenção os extensos e satisfatórios comentários feitos pelo ex-cangaceiro Otaviano, sobre a valentia e a forma de agir do então capitão Lucena, da polícia alagoana. Era o mesmo oficial José Lucena que em uma desastrada ação policial ocorrida em território alagoano, no ano de 1921, assassinou o pai de Virgulino, o pacato José Ferreira.
 
Durante toda a entrevista, Otaviano Pereira de Carvalho em nenhum momento comenta o seu nome como ficou conhecido no meio dos cangaceiros.

Dúvidas

 

Esta interessante entrevista chama a atenção pela falta de fotografias do entrevistado, maiores dados sobre o militar Otaviano no Exército Brasileiro e outras notas mais detalhadas sobre a sua vida como cangaceiro. Seria para este pretenso ex-combatente do bando de Lampião se proteger?
 
Mas seria este entrevistado e sua história verdadeira? Otaviano Pereira de Carvalho era quem ele realmente afirmava ser na entrevista? Seria tudo isso uma grande farsa?
 
só mais outras pesquisas para corroborar, ou não, a reportagem de capa do jornal pernambucano “A Notícia”, do dia 8 de março de 1931. Não podemos esquecer que em 1931, o militar e político cearense Juarez Fernandes do Nascimento Távora havia comandado as forças nordestinas que apoiaram Getúlio Vargas na implantação do movimento revolucionário de 1930 na região. Seu poder era tanto que Juarez Távora ganhou o apelido de “Vice-Rei do Norte”.
 
Távora e a Revolução de 1930 desejavam alterar as bases políticas e econômicas existentes então no Sertão nordestino, retirando tudo que representasse o atraso, daí se enquadravam desde os coronéis aos cangaceiros. Neste sentido, uma entrevista com um ex-cangaceiro, agora militar do Exército Brasileiro, “um homem recuperado das hostes de Lampião”, servia de maneira extremamente positiva ao novo regime.
Uma outra coisa que chama a atenção é o fato que todas as informações apresentadas, provavelmente eram de conhecimento dos órgãos oficiais de repressão ao cangaceirismo. Não se pode esquecer que em 1931 um certo número de cangaceiros estavam atrás das grades, a maioria cumprindo pena principalmente na Penitenciária de Recife.
 
Estes “cabras de Lampião” haviam sido presos na época da campanha de repressão comandada pelo então Chefe de Polícia de Pernambuco, Eurico Souza Leão. Esta campanha repressiva teve seu auge entre 1927 e 1929, sendo um dos principais fatores para Lampião e um reduzido número de homens, cruzarem o rio São Francisco e atuarem principalmente nos sertões da Bahia, Alagoas e Sergipe, até a sua morte em 1938.
Estes cangaceiros poderiam (talvez até sob tortura?) terem fornecido estas informações à polícia e elas terem sido utilizadas para a reportagem?

Conclusão

Estas conjecturas, sobre uma simples e antiga reportagem, mostra o quanto é interessante e difícil este tipo de trabalho. Evidentemente que para aqueles que trabalham com a pesquisa histórica, seja em relação ao cangaço ou outros assuntos, venha à informação pesquisada oriunda de fontes orais ou documentais, conseguidas através de um diálogo com um informante, ou em uma hemeroteca de algum arquivo, não é nenhuma novidade comentar que o material analisado deve ser sempre visto com ressalvas e exaustivamente analisado.
 
Entretanto visitar arquivos, em um futuro não muito distante, deverá ser a principal forma de se pesquisar sobre o cangaço. Pois enfim o tempo não para, e as últimas testemunhas reais dos fatos relativos ao cangaço estão seguindo seu caminho natural.


Por Rostand Medeiros
Pesquisador
 
Ops! Não tirem conclusões antes de ler os comentários.

8 comentários:

Sérgio Dantas.'. disse...

PARTE 01:

SOU APENAS UM CURIOSO, MAS ME PERMITAM ALGUMAS OBSERVAÇÕES SOBRE ESSA PÉROLA QUE O AMIGO ROSTAND NOS TROUXE. DESTACO ALGUNS TRECHOS:

“Infelizmente a entrevista não informa como se deu a sua entrada no bando.
CLARO..ELE NUNCA ENTROU. PELA QUANTIDADE DE DISPARATES CONTIDOS NA ENTREVISTA , JÁ SE VÊ ISSO. O TEXTO PARECE MESMO COMO UMA PROPAGANDA DO GOVERNO DE GETÚLIO VARGAS CONTRA O CANGACEIRISMO.

“onde o rosário principal estaria com uma suposta amante de Lampião, que vivia “na fazenda do Maxixe, em Pernambuco”.
EM QUAL MUNICÍPIO? PERNAMBUCO É UM ESTADO RELATIVAMENTE GRANDE. FAZENDA MAXIXE É GENÉRICO DEMAIS. EM MINHA PESQUISA DE CAMPO JÁ TOPEI COM UMAS VINTE – NO MÍNIMO - COM ESSE NOME....SÓ AQUI NO RIO GRANDE DO NORTE JÁ VI TRÊS.

“falso cortejo fúnebre que entrou na vila pela manhã cedo, onde as armas são retiradas de uma rede que supostamente traria um defunto, passando o grupo a atacar a casa do delegado e exterminam a vida deste militar”.
SOBRE ESSE SUPOSTO ATAQUE, SUGIRO A LEITURA DE CHANDLER, OPTATO GUEIROS, JOAQUIM GOIS, ANTÔNIO AMAURY, JOAQUIM GÓIS, ENTRE OUTROS. ESSA HISTÓRIA DE ‘REDE COM ARMA DENTRO’ JÁ SE SABE HOJE QUE NASCEU DA TRADIÇÃO POPULAR. VÁRIOS LUGARES FORAM INDICADOS COMO PALCO DO INUSITADO ACONTECIMENTO.
É FATO SEMELHANTE ÀQUELA HISTÓRIA DO SAL....
TALVEZ O 'PRETENSO CANGACEIRO' TENHA LIDO ISSO EM NERTAN MACEDO OU ALGUMA OBRA SEM FUNDO CIENTÍFICO.

Sérgio Dantas.'. disse...

PARTE 2:

Sobre os protetores e coiteiros de Lampião, o então militar narrou que um certo “Véio Praxedes”, que vivia próximo à cidade de Custódia, em Pernambuco, lhe guardava muitas munições.
CUSTÓDIA NÃO ERA ÁREA DE ESCONDERIJO DE LAMPIÃO. AFORA A PASSAGEM PELA CIDADE EM 1925 E ALGUMAS INCURSÕES COM CARÁTER DE RAPINA EM SÍTIOS DO ENTÃO EXTENSO MUNICÍPIO, NÃO HAVIA O COITO DE ‘UM CERTO VÉIO PRAXEDES’...É DESCONHECER DEMAIS A HISTÓRIA.
PARA ALGUÉM QUE SE DIZ EX-CANGACEIRO É GRAVE DEMAIS...

O armeiro que deixava as armas preparadas, um “mestre” na definição de Otaviano, seria um certo ferreiro de nome “Zuza”, do município cearense de Jardim, localizado na fronteira de Pernambuco.
NÃO EXISTIU ESSA PESSOA. O FERRAGEIRO FAMOSO DE JARDIM ERA ‘JOSÉ PEREIRA DO JARDIM’. ESTE, SIM, FAZIA SERVIÇOS PARA LAMPIÃO NA DÉCADA DE VINTE. (VER VÍDEO ‘A ESTÉTICA DO CANGAÇO’, DE FREDERICO PERNAMBUCANO).

“Seus comandados utilizavam água de caroá para lavar o ferimento, depois colocavam leite de favela e entre quatro a cinco dias a ferida cicatrizava satisfatoriamente”.
SUGIRO AOS AMIGOS DO BLOG QUE SE VEJAM OS LIVROS ‘ O MUNDO ESTRANHO DOS CANGACEIROS’, DE ESTÁCIO DE LIMA E ‘LAMPIÃO E A MEDICINA DO CANGAÇO’, DE LEANDRO FERNADES E ANTÔNIO AMAURY. O PROCESSO DE CURA DE FERIMENTOS À BALA ERA BEM DIVERSO DO DESCRITO PELO CANGACEIRO OTAVIANO. ALIÁS, JARARACA QUANDO PRESO EM MOSSORÓ DEU BOM EXEMPLO DISSO (CANUDO DE MAMOEIRO E EMPLASTRO DE PIMENTA).
QUEM CONHECE UM FAVELEIRO, SEBA QUE ELE NÃO EXPELE LEITE.
TODAVIA, PARA NÃO ME BASERA SOMENTE EM MINHAS IMPRESSÕES, CONSULTO A BIBLIOGRAFIA E RELATO SOBRE A FAVELA (OU FAVELEIRO):
“SEUS FRUTOS POSSUEM UM ÓLEO COMESTÍVEL, MAS SEU USO É RESTRITO DEVIDO À QUANTIDADE DE PELOS URTICANTES QUE PRATICAMENTE IMPEDEM A COLHEITA” (TRECHO DO LIVRO ‘CAATINGA’, DE CÉLIA DE ASSIS E OUTROS, FTD, 1994:28).

Sérgio Dantas.'. disse...

PARTE 3:

“Virgulino estava na vila pernambucana de Nazaré, local de onde surgiram seus mais ferrenhos perseguidores, ele teria feito um grande escarcéu, “quebrando todos os lampiões que existiam no lugar” e daí surgindo o nome que tornaria este cangaceiro famoso”.
NAZARÉ, NA DÉCADA DE VINTE, NÃO TINHA LAMPIÕES PARA ILUMINAÇÃO PÚBLICA.
SE MUITO, HAVERIA ESTES PONTOS DE ILUMINAÇÃO EM FLORESTA(ONDE HAVIA UM GERADOR A ÓLEO) E NA ANTIGA ‘VILA BELA’ – HOJE SERRA TALHADA.
NAZARÉ, NAQUELE PERÍODO, NÃO ERA MAIS QUE UM LUGAREJO COM VINTE CASAS, SE MUITO. SÓ ESTA ALEGAÇÃO JÁ MOSTRA QUE O PRETENSO CANGACEIRO NÃO CONHECIA O VILAREJO PERNAMBUCANO E QUASE NADA SABIA SOBRE LAMPIÃO.

Esta interessante entrevista chama a atenção pela falta de fotografias do entrevistado, maiores dados sobre o militar Otaviano no Exército Brasileiro e outras notas mais detalhadas sobre a sua vida como cangaceiro. Seria para este pretenso ex-combatente do bando de Lampião se proteger?
NÃO TEM FOTOGRAFIA PORQUE NÃO EXISTIU ESSE CANGACEIRO. ME DEI AO CUIDADO DE VERIFICAR A RELAÇÃO DE CANGACEIROS PRESOS ENTRE 1922 E 1930 NO ESTADO DE PERNAMBUCO E NÃO CONSTA O NOME DESSE OTAVIANO.

AGUARDO MAIS ACRÉSCIMOS E OBSERVAÇÕES. RELAMENTE, COMO ROSTAND RESSALTOU. É DIFÍCIL...

ABRAÇO A TODOS
SÉRGIO.’.

Geziel disse...

Cabra bom!!! (com a voz do professor Raimundo)

Rostand Medeiros disse...

Ok,
mas o interessante no aspecto desta entrevista feita a tantos anos é a razão dela existir?
Porque dois jornais, um carioca e outro pernambucano, se dariam ao trabalho de abrir uma página inteira (no caso do jornal de Pernambuco)para tanta fantasia?
Interessante para quem visita o Arquivo do Estado de Pernambuco e folheia estes antigos e valiosos jornais, é que antes da Revolução de 1930, existiam na maioria das vezes apenas notas sobre Lampião e seu bando, mas não com tanto destaque. Depois de 30 é comum haver mais espaço para pessoas comentarem o fenômeno, relato de vítimas, ação da polícia e outras coisas.
Realmente, o papel da imprensa em relação a criação do mito de Lampião é um assunto interessante e deve ser mais pesquisado.
Um abraço pessoal.

Sérgio Dantas.'. disse...

Amigo Rostand, como eu disse no comentário anterior: 'me pareceu propaganda getulista'.
Junte essa enxurrada de notícias exageradas (veja, por exemplo, série entre janeiro e abril de 1934do jornal A TARDE, de Salvador).
Não tem praticamente nada real. É incrível! Tudo é escrito no esquema: "UM LEITOR (nunca se indica nome) nos escreveu de certa cidade e disse que"....E daí começa o tiroteio contra o cangaceiro.
Agora veja:
Some esse mal uso da imprensa com a crendice do povo e com a 'pretensa e difundida invulnerabilidade' de Lampião(corpo fechado, não se mata à bala..etc).
Não seria de admirar que não se criasse um mito em torno do personagem.
O bom é analisar, comparar e CONCLUIR com base nesses cruzamentos de informações. Você como bom historiador sabe disso...
Por fim, lembro que as minhas observações foram feitas em relação aos fatos narrados pelo suposto cangaceiro. É opinião pessoal.
Cabe a cada um acreditar ou não nas palavras do tal Otaviano. Afinal, dois jornais - como você destacou - lhe deram espaço....
Pode ser que seja verdade incontestável e não 'fantasia' o que ele disse! Quem sabe?
Digo o mesmo em relação a Volta Seca. Ele pode estar certo e todo o resto errado.
Eu posso também estar totalmente equivocado em minhas observações sobre essa entrevista do tal Otaviano.
Sabemos que a verdade é relativa. O próprio Cristo, ao ser perguntado por Pilatos o que era a 'verdade', calou-se.
Quem sou eu, pois, para dizer algo sobre isso...
Abraço
Sérgio.'.

Manoel Severo disse...

Caro Dr. Sérgio,

Muito bom poder aprofundar a relação da mídia a serviço do getulhismo na época do cangaço; a partir do que o amigo Rostand acabou nos trazendo de forma muito feliz.

Parabens a ambos, Rostand pela matéria, e o amigo Sérgio, pelas posteriores reflexões.

Abraços,

Manoel Severo.

DICA PARA MOTOCICLISTAS EM PIRACICABA disse...

Meu bisavô foi do bando do lampião... Mas pouco sei sobre o assunto... Mas é fascinante..