terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Cangaço e Transculturalismo na Paraíba

Por Epitácio de Andrade

Antes do grande encontro dos cangaceirólogos paraibanos, ocorrido no último dia 25 de janeiro, no Shopping Sul, em João Pessoa, capital do estado, tive um contato interpessoal com o médico oftalmologista Vanderlan de Souza Carvalho, quando abordamos a interação dos saberes popular e científico, a partir do fato histórico marcado pela perda do olho direito do Rei do Cangaço Virgulino Ferreira, o Lampião.

Epitácio Andrade autografa para Vanderlan Carvalho 
Foto: Tiara Andrade

O médico psiquiatra Epitácio Andrade procurou seu colega contemporâneo de faculdade para autografar seu livro “A Saga dos Limões – Negritude no Enfrentamento ao Cangaço de Jesuíno Brilhante”, e estabelecer um diálogo sobre a visão subnormal de Lampião, analisando um possível acidente com a perfuração do globo ocular com um espinho na caatinga e/ou a evolução de uma doença degenerativa ocular, como o glaucoma.
Alguns biógrafos de Lampião aventam a possibilidade da perda do olho direito ter ocorrido nos anos 20, durante enfrentamento com volantes, quando houve o acidente com um espinho, que foi retirado por um médico na cidade de Triunfo, no interior pernambucano. Na ocasião, ao ser informado da possível cegueira decorrente da lesão ocular, Lampião teria dito que só precisava de um olho para atirar.

Na época da provável perfuração do olho direito de Lampião, era tradição pelo conhecimento popular a extração do “olho vazado” para não se passar a cegueira para o outro olho. Para o especialista Vanderlan Carvalho, esta explicação do saber popular encontra respaldo no saber científico, tendo em vista uma possível reação antígeno-antícorpo, onde o sistema imunológico passa a identificar o olho são como corpo estranho.

O especialista em oftalmologia Vanderlan Carvalho afirmou também que a tendência atual da cirurgia ocular diante de lesões perfurantes do olho humano é cada vez mais a preservação dos tecidos remanescentes, uma vez que a proteção para uma possível reação antígeno-anticorpo é possibilitada pela utilização das modernas drogas imunossupressoras, inexistentes na época do cangaço lampiônico.

 
Cangaceirólogos reunidos em João Pessoa/PB
Foto: Tiara Andrade

Já no encontro com os cangaceirólogos paraibanos, o médico psiquiatra Epitácio Andrade passou a desenvolver conversas informais com seus pares, acerca de uma possível doença degenerativa dos olhos que poderia portar Lampião, que teria sido agravada pela vivência estressogênica da vida cangaceira e pelas situações angustiantes das mortes do pai e dos irmãos, apresentando desta forma uma hipótese psicossomática para a evolução da subnormalidade visual do rei do cangaço.

 
Professora Lúcia Holanda, a presença feminina 
Foto: Tiara Andrade 

A professora Lúcia Holanda, natural de Serra Talhada, no interior de Pernambuco, que defendeu a dissertação de mestrado: “Lugares de Memória – Jesuíno Brilhante e os Testemunhos do Cangaço no Oeste do Rio Grande do Norte e Fronteira Paraibana”, no final de 2010, na pós-graduação de geografia da Universidade Federal da Paraíba, lembrou que a peça de autenticidade comprovada, marcadora do déficit visual de Lampião, o par de óculos de ouro 16, foi recuperado, recentemente, pela polícia civil pernambucana após ter sido furtado do museu de sua terra natal.

O poeta e cordelista Gil Hollanda ressaltou a capacidade de intervenção estética de Lampião, lembrando que este formato de óculos ficaria, posteriormente, imortalizado na face do músico pacifista britânico John Lennon, morto em 08 de dezembro de 1980.

 
Lennon (1940-80)  
In: John Lennon.com

O trânsito pelos diversos sistemas culturais foi percebido, perfeitamente, por Narciso Dias que coordenou e facilitou os entendimentos transculturais abordados pelos presentes, ora em discussões formais, ora em conversas interpessoais.

Narciso Dias coordenou encontro 
Foto: Epitácio Andrade

O menestrel cangaceirólogo João Bezerra da Nóbrega contribuiu com o transculturalismo do encontro, reportando-se a morte do cangaceiro Liberato Cavalcanti de Carvalho Nóbrega em 1879, numa prisão da capital paraibana durante a epidemia de varíola, que se espalhou pelo nordeste, a partir da “seca dos dois sete”.


Coronel João Bezerra da Nóbrega 
Foto: Epitácio Andrade 

Reportando-se aos laços genealógicos que unem os escritores João Bezerra da Nóbrega, seu primo Gil Hollanda e a si próprio, o pesquisador social Epitácio Andrade afirmou que no livro “A Família Nóbrega”, de Trajano da Nóbrega, esta relação está bem estabelecida, como também o parentesco com Liberato Nóbrega, que é citado em “Flor dos Romances Trágicos”, de Luiz da Câmara Cascudo, e foi alcunhado por Gil Hollanda em folheto de cordel como “O delegado que virou cangaceiro”, editado em março de 2008, com apoio da Sociedade Brasileira de Estudos do Cangaço (SBEC).


Capa “O delegado que virou cangaceiro” 
Reprodução: Epitácio Andrade

Natural de Custódia, no interior pernambucano, o confrade Jorge Remígio enriqueceu o debate apresentando importantes referenciais teórico-conceituais, que oferecem assento científico aos estudos do cangaço.


 Jorge Remígio com Narciso Dias 
Foto: Epitácio Andrade 

Ao lado de Narciso Dias e do escritor João Bezerra da Nóbrega, autor de “Lampião e o Cangaço na Paraíba”, Jorge Remígio forma a base de sustentação do grupo de estudos do cangaço paraibano, que é reforçado por companheiros, igualmente, importantes.

Jair Tavares, Manoel Costa e Joaquim Furtado são apologistas da cultura nordestina e reforçam o grupo de cangaceirólogos paraibanos, que desencadearão um conjunto de ações culturais para fomentar o estudo do cangaço nas gerações futuras.


Jair Tavares, Manoel Costa e Joaquim Furtado 
Foto: Epitácio Andrade

O parentesco do coronel João Bezerra da Nóbrega, com o poeta Gil Hollanda e com o capitão médico Epitácio Andrade é reforçador do desenvolvimento de trabalhos sobre o resgate de cangaceiros da família Nóbrega, como “Jurema”, Inácio de Loiola de Medeiros Nóbrega, que se encontra relatado em “Lampião e o Cangaço na Paraíba”, do escritor João Bezerra, e Liberato Cavalcanti de Carvalho Nóbrega, personagem do cordel “O delegado que virou cangaceiro”, de Gil Hollanda, baseado em pesquisa etnográfica de Epitácio Andrade.


Epitácio Andrade, Cel. Nóbrega e Gil Hollanda 
Foto: Tiara Andrade

O casal de professores Gil e Lúcia Hollanda tem uma preocupação com a discussão sobre estudos do cangaço com as gerações futuras. O poeta Gil Hollanda publicou o cordel “O grande encontro do cangaceiro Jesuíno Brilhante com o cabo Preto Limão”.

Professora Lúcia e poeta Gil Hollanda 
Foto: Epitácio Andrade 

Numa parceria com a esposa Lúcia, o professor Gil Hollanda está preparando o livro paradidático “Nas Trilhas do Cangaço de Jesuíno Brilhante”, com previsão para ser editado no primeiro trimestre deste ano.


Capa de cordel cangaço Brilhantes X Limões 
Reprodução: Epitácio Andrade

“Guerra dos Comboios” é um áudio-visual, que está sendo produzido pelo pesquisador social Epitácio Andrade e deverá compor o conjunto da produção transcultural do grupo de cangaceirólogos paraibanos, com conclusão prevista para o segundo semestre.


Making of de “Guerra dos Comboios” 
Foto: Josa Kung-fu 

"A produção transcultural é o caminho de superação do reducionismo e aponta para novos olhares sobre os processos sociais".

Nenhum comentário: