quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Antônio Silvino e o crente.

Estocado em Fé e Crença 

Por Salomão L. Ginsburg (Foto).

Capítulo do livro A Wandering Jew in Brazil, Salomão L. Ginsburg, 1921 Um Judeu Errante no Brasil. Uma autobiografia de Salomão Luiz Ginsburg. Rio de Janeiro: Casa Publicadora Batista, 1931.  

Corrigida e atualizada por Paulo Brabo.


Depois de uma discussão que havia se alongado por três anos, através da imprensa diária, com as forças organizadas do sacerdócio católico em Pernambuco; depois que todos os esforços haviam sido feitos para expulsar-me do Brasil, especialmente do campo de Pernambuco, onde o Senhor nos abençoava, um monge reacionário italiano, chamado Celestino, resolveu eliminar-me por assassinato.

No norte do estado de Pernambuco havia um bando de cangaceiros à solta, cometendo todo tipo de atrocidades. Seu chefe era um dos homens mais destemidos que já apareceu no Brasil: seu nome, Antônio Silvino. Um grande número de crimes era atribuído a esse bando, e o governo havia oferecido a soma de US$10.000 – 40.000 mil réis – pela sua captura, vivo ou morto. Era muito difícil, no entanto, capturar esse homem. Ele tinha o desconcertante dom de atirar e acertar em cheio, normalmente matando aquele que havia ousado atacá-lo. Ele era também generoso com os pobres e dividia com eles grande parte do espólio que tirava dos ricos ou até mesmo do governo.
"A primeira coisa que me passou pela cabeça é que ele devia estar caçando".
Foi a esse homem que o monge italiano recorreu. Ele apelou para a sua credulidade e superstição, e obteve de Silvino o consentimento de me matar pela soma de 250 mil réis (cerca de duzentos e cinqüenta dólares). Eles descobriram o dia exato em que eu deveria chegar ao vilarejo de Moganga e deixaram o homem preparado para me atacar de surpresa.

Deixei a cidade de Nazaré cerca de duas da manhã. Eu levava um companheiro comigo, o irmão Amaro, um convertido nativo que foi como meu guia. Perto das cinco da manhã vi um homem baixo e franzino, mas de aparência rija, em pé num campo próximo à estrada pela qual eu tinha de passar. Em suas mãos ele trazia uma espingarda de cano duplo, e uma longa faixa de cartuchos atravessava o seu peito. A primeira coisa que me passou pela cabeça é que ele devia estar caçando e, como é meu costume, parei o cavalo e cumprimentei o homem, desejando um bom dia e perguntando se ele havia saído para caçar.

Ele não se dignou a responder, então perguntei se já tinha pegado alguma coisa naquela manhã, mas ele permaneceu calado. Assim, dando com as esporas no meu cavalo, eu estava prestes a seguir meu companheiro, que já havia seguido adiante, quando um negro pulou de uma árvore bem diante do meu cavalo, e tive que me esforçar para manter o controle das rédeas. O homem atrás de mim gritou-lhe alguma coisa que não pude compreender, mas ficou claro que o negro sim, porque saltou de imediato para fora do caminho e deixou-me prosseguir a viagem.

Logo em seguida passei por outro vilarejo, chamado Sapé, e ali encontrei Cocada, um encorpado homem branco cuja face pintada de vermelho o denunciava como membro daquele célebre bando de foras-da-lei. Esse sujeito estava sentado no chão recebendo presentes ou ofertas que lhe traziam os habitantes do lugar. Ele nem mesmo olhou para ver quem estava passando. Às oito cheguei ao vilarejo de Moganga, onde deveria passar o dia, pregando e ensinando.

Tão logo cheguei, no entanto, pude ver a surpresa estampada no cada rosto de cada um que encontrava. O líder político do lugar, em cuja casa eu deveria ficar durante minha estada na cidade, recebeu-me com alegria incontida e abraçou-me repetidamente enquanto perguntava o tempo todo: “O senhor viu o Antônio Silvino?”

Respondi que não conhecia esse homem pessoalmente, por isso não podia dizer com certeza se havia me encontrado com ele ou não. Falei, no entanto, sobre os que havia encontrado no caminho, e ele informou-me que o primeiro, segurando a espingarda de cano duplo, era a pessoa em questão.

O líder político contou em seguida que tinha sido informado que esse mercenário havia recebido dinheiro para providenciar que eu fosse removido da terra dos vivos. Tão logo havia ganho conhecimento disso ele havia estado tentando entrar em contato comigo, mas como eu já havia deixado o lugar onde eles haviam esperado me encontrar, o homem havia chegado ao ponto em que não soubera mais o fazer, a não ser entregar nas mãos da Providência, como ele mesmo colocou (o homem não era crente).
"Vieram lhe dizer, para sua consternação, que era Antônio Silvino e queria falar com o Sr. Salomão".
Tive um dia muito atarefado. Regozijando-me por ter escapado das mãos do mercenário, passei um dia glorioso entre os crentes. Nossa reunião pública começou às 7 da noite e durou até quase meia-noite. Tivemos cântico de hinos, pregação, oração e testemunho, bem como a aceitação de candidatos a batismo. Cansado e quase exaurido, porque não tinha dormido na noite anterior, pedi ao irmão nativo que tocasse a reunião e fui para um quartinho que ficava logo atrás da sala da frente da casa do líder político .

Eu estava pronto para espalhar-me na minha rede quando ouviu-se uma batida na porta da frente. A exigência era que a porta fosse aberta imediatamente. O dono da casa foi ver quem estava perturbando a hora da meia-noite quando vieram lhe dizer, para sua consternação, que era Antônio Silvino e queria falar com o Sr. Salomão.

Você pode imaginar como meu coração reagiu quando percebi que aqueles eram provavelmente meus últimos momentos. Eu havia me congratulado por ter escapado do bandido e agora aqui estava ele, na própria casa do líder político e defronte a onde ficava a delegacia de polícia. Caí de joelhos pedindo ao Senhor apenas uma coisa, a força necessária para dar um bom testemunho. O Senhor me deu o dom de não temer coisa alguma ou quem quer que seja, mas deu-me também um espírito muito sensível. Não suporto ver sangue, e toda minha coragem se esvai quando vejo alguém sofrendo. A única coisa de que eu tinha medo era demonstrar medo caso ele resolvesse me torturar, e era para isso que estava pedindo forças. Louvado seja o seu nome, ele não falhou comigo.
“Sabe porque vim até aqui?”
 “Sei. Pagaram ao senhor para me matar.”



 Cortesia do escritor Sergio Augusto Souza Dantas

Tão logo ele sentou vieram me chamar, e eu disse a eles que iria num momento. Entrando na sala da frente , um aposento grande e espaçoso, vi o cangaceiro sentado no sofá, a cabeça baixa. O líder político estava pálido e tremendo, enquanto sua esposa e sua filha, duas mulheres esguias, apertavam nervosamente as mãos e choravam como se seus corações fossem se despadaçar.

Caminhando até o homem, senti meu coração fortalecido e disse:
– O senhor desejava me ver; o que posso fazer pelo senhor?
– O senhor sabe quem eu sou? – ele perguntou depois de um intervalo.
– Sim, é o capitão Antônio Silvino – respondi.
– Sabe porque vim até aqui? – ele perguntou.
– Sei. Pagaram ao senhor para me matar.
– É verdade – respondeu ele.
Ali em pé diante do cangaceiro levantei mais uma oração silenciosa a meu pai do céu, pedindo que me ajudasse e tomasse conta de minha esposa e filhos. Alguns momentos se passaram sem que o homem fizesse qualquer movimento.
– Então – eu disse, – porque você não faz de uma vez o que veio fazer?
Ele, no entanto, não se moveu. Depois de alguns momentos de silêncio percebi que ele estava chorando, lágrimas escorrendo pela sua face.
– Não – ele disse, finalmente. – Não vou matar o senhor. Eu queria mesmo é matar a pessoa que me pediu pra lhe matar. Não vou matar um homem como o senhor. Hoje de manhã enquanto eu lhe esperava perto da vila de Sapé, o senhor parou o seu cavalo e falou comigo de um jeito tão gentil e bondoso que fui pego de supresa. Tinham me dito que o senhor era um sujeito perigoso, que suas doutrinas e ensinamentos eram uma maldição para o povo e para o país, e que matar o senhor seria uma benção pra muita gente. Mas o senhor falou comigo com tanta bondade que decidi descobrir mais sobre o senhor. Eu estava presente enquanto o senhor pregava e ensinava e rezava e cantava e posso lhe dizer que não vou matar de jeito nenhum um homem que está fazendo uma obra tão caridosa. 
“Não vou matar um homem como o senhor.”

Passamos aquela noite juntos e ele me contou a história da sua vida, uma das mais tristes que já tive oportunidade de ouvir. Ele não era um criminoso comum. Nascido numa família muito rica e aristrocática, Antônio Silvino era ele mesmo dono de uma grande e valiosa extensão de terra na Paraíba. Mas, por causa de querelas políticas, seu pai, irmãos, tios e primos haviam sido exterminados. Para escapar ao mesmo destino, ele havia decidido tornar-se cangaceiro e destruir não apenas seus inimigos políticos mas todos que ousassem se colocar no seu caminho. Até aquela ocasião ele havia assassinado sessenta e seis pessoas.

Conversamos e oramos juntos até o amanhecer. Depois desse encontro aquele cangaceiro tornou-se um ardente defensor da nossa causa naquela região. Ele não permitia qualquer perseguição contra o evangelho e contra os pregadores. Não tenho dúvidas que minha vida foi salva inúmeras vezes da destruição nas mãos de cangaceiros por causa das ordens estritas recebidas desse homem.

Algum tempo depois fui ao Tenente-Governador e ofereci-me para tirar esse cangaceiro do estado e dar a ele uma chance de regeneração, com a condição de que nem ele nem eu fossemos molestados. Sua excelência, embora um grande admirador do trabalho que estávamos fazendo, não via como conceder o que eu estava pedindo.

Logo depois que deixei Pernambuco, Antônio Silvino foi capturado. Ele foi trazido ferido para a capital do estado, onde foi julgado e condenado ao cárcere. Na prisão o seu prazer era ler a Bíblia e contar às pessoas que iam visitá-lo, bem como aos seus companheiros de prisão, o que o Senhor havia feito por ele. Silvino era encontrado constantemente orando e com a Bíblia nas mãos. O editor de certo jornal vespertino foi visitá-lo e voltou devidamente enojado:

“Tudo que se consegue arrancar de Antônio Silvino”, escreveu ele, “é sobre os batistas e a Bíblia”.


 Pesquei literalmente no: Bacia das Almas
 Imagem de Salomão L. Ginsburg Igreja Batista do Cordeiro 

Sobre o autor e obra.

A Wandering Jew in Brazil, Salomão L. Ginsburg, 1921 Um Judeu Errante no Brasil. Uma autobiografia de Salomão Luiz Ginsburg Rio de Janeiro: Casa Publicadora Batista, 1931.
Obra escrita em inglês em 1921, e traduzida para o português por Manoel Avelino de Souza. Original: A Wandering Jew in Brazil: An Autobiography of Solomon L. Ginsburg. Nashville: Sunday School Board, Southern Baptist Convention, 1922.

Judeu convertido ao cristianismo, saíu da sua terra natal para a Inglaterra, onde foi evangelizado. Seu pai, um rabino ao saber da decisão do filho o deserdou. Foi residir num lar para judeus convertidos, onde aprendeu o ofício da tipografia. Sentindo o chamado missionário preparou-se. Inicialmente foi para Portugal, como missionário da Igreja Congregacional. Teve que se retirar dali ao escrever um folheto polêmico, acusando a Igreja Católica Romana.

Da imensa obra de Ginsburg destaca-se: Foi Ginsburg o editor do primeiro Cantor Cristão (16 hinos) em 1891 e na edição atual do referido Cantor ele aparece como Autor ou Tradutor de 102 hinos. Destaco ainda, conforme nos informa o Pr. Ebenezer Soares Ferreira (veja O Jornal Batista nº 30 de 24/07/94), Ginsburg foi o fundador, na cidade de São Fidélis no Estado do Rio de Janeiro da "Egreja DE CHRISTO, CHAMADA BATISTA" (27/07/1894). que foi a primeira Igreja Batista em São Fidélis Segundo o mesmo autor (9, pg. 64), o primeiro Templo Batista construído no Brasil, foi o da Primeira Igreja Batista de Campos, edificado sob o pastorado de Salomão Ginsburg.

O livro está disponível em PDF para Download no blog  Almanaque de História
----------------------------------------------------------

Este encontro teria mesmo ocorrido? Que outro autor narrou o aludido capítulo na vida do "Rifle de ouro"? 

Sempre bom, esclarecer que coloco o texto para análise dos leitores e pesquisadores. Não estamos atestando nada. Alem do mais o que sabemos de concreto sobre Silvino foi absorvido da excelente pesquisa do Dr Sergio Augusto de Souza Dantas publicada em seu livro O cangaceiro, o homem e o mito. Esta passagem era desconhecida para nós.

Me atrevi apenas à grifar algumas linhas que estranhamos de cara. A primeira preferimos não comentar por razões óbvias. Faço questionamentos como: "rostos pintados de vermelho", "Espingarda de dois canos",E quanto ao número de vítimas do governador do Sertão?  Além de algumas atribuições.

Fiquem a vontade para suas observações.

8 comentários:

Anônimo disse...

Amigos

Esta história é interessante, mas acredito que fantasiosa. Alguns detalhes nos impressionam de cara: Antônio Silvino com "arma de cano duplo"? Estranho. Veja bem, quando foi que você leu, ou ouviu falar, que cangaceiros daquela época utilizaram este tipo de armamento? No tempo de Manuel Batista Moraes, ou era bacamarte, ou rifle Wichester 44. Com a palavra os nossos amigos Fábio e J. Renato.


Outra coisa, lendo jornais antigos, do início do século XX, as afirmativas contra Antônio Silvino na época o taxavam como um "celerado","bandido", "cangaceiro" e outros adjetivos negativos. Mas nunca vi ele sendo acusado de "matador".


O Brasil da década de 10 do século passado, era difícil para norte-americanos e estrangeiros de forma geral. Nosso país era visto lá fora como um lugar místico, cheio de selvas, cobras, índios e outras coisas "terríveis". De certa maneira esta visão ainda perdura. Creio que alguns de vocês leram sobre a expedição que uniu o ex-presidente norte-americano, Theodore Roosevelt e o militar brasileiro Cândido Mariano Rondon, que em 1913 mapearam o percurso do chamado "rio da Dúvida". Este rio foi até rebatizado como "rio Roosevelt".


Roosevelt havia sido candidato a presidência dos Estados Unidos em 1912, pelo Partido Progressista. Ele perdeu as eleições para o democrata Woodrow Wilson e depois veio para o Brasil e viajou ao interior do Mato Grosso e do Amazonas em companhia de Rondon.
Depois de muitas aventuras e problemas, ao retorna ao seu país, Roosevelt escreveu em 1914 o livro "Through the Brazilian Wilderness" e este foi um enorme sucesso.


O livro serviu igualmente para chamar a atenção do público americano, através de uma pesada mídia, que ele, Roosevelt, não estava "acabado", estava pesquisando no "fim do Mundo", estava ativo.


Bom, se o ex-presidente Theodore Roosevelt aproveitou sua turbulenta viagem na selva brasileira para levantar sua moral com público americano, porque um pastor que andou no desconhecido sertão nordestino não aproveitaria para mostrar para seu público que podia, através de sua fé, dobrar os espírito turbulento de um cangaceiro como Antônio Silvino?
Não nego que no início do século XX, houve vários casos de agressões contra pastores protestantes estrangeiros, em várias partes do Brasil. Aqui em Natal isso ocorreu. Este pastor pode sim ter sido ameaçado, pode ter havido o caso que ele narra. Mas por Antônio Silvino? Eu não acredito.

Um abraço.
Rostand Medeiros, Natal/RN.

João de Sousa Lima disse...

uma forma de confrontar se o armamento era esse idealizado pelo Samuel é só dar uma olhada mais atento pra fotografia onde estão os cangaceiros.

Anônimo disse...

Sou cristão protestante, amo o tema cangaço, respeito a opinião de todos aqui, agora dizer que o que esse pastor passou no sertão nordestino é uma inverdade ai temos que não acreditar em quase tudo que se refere ao cangaço, pois o que sabemos até hoje sobre o tema é em grande parte histórias contadas por pessoas simplis e humildes, esse homem que escreveu sua aventura é uma pessoa de boa fé, que acredito que não iria aproveitar de tal situação para se auto promover.

Kiko Monteiro disse...

Sr ANONIMO
A importancia da publicacao deste artigo e tao somente para contestar se o aludido bandoleiro em questao seria ANTONIO SILVINO. Eu e os que teceram comentarios ate agora nao duvidamos que o pastor tenha percorrido o nordeste. Tenho motivos para nao crer na identidade do cangaceiro se e que este era mesmo um cangaceiro ou mero jagunco. Sobre a HISTORIA do cangaco realmente existem relatos fantasiosos, mas estes ja nao sao maioria como o amigo entende. O tempo e os estudiosos responsaveis se encarregaram de investigar e dissolver estas poucas lendas. Nossa missao e esta: Divulgar e aniquilar as invencionices.

Abracando.

Anônimo disse...

O cangaceiro citado era realmente o Antonio Silvino.
No orkut há uma comunidade com o mesmo nome do Antonio Silvino cujo autor da comunidade é um parente dele.
Eli

Maria Quiteria de Moraes disse...

Meu nome é Maria Quiteria de Moraes, sou neta de Antonio Silvino, meu Pai , Severino Baptista de Moraes, conviveu com o Pai (Silvino) quando ele estava preso, ele ouviu do Proprio Antonio Silvino a o relato de sua historia que foi contanda durante anos, ele escreveu essa historia em que muitos fatos são ainda inéditos, antes do desencarne de meu Pai em 2007, ele deixou esse material sob minha guarda, que futuramente pretendo divulgar. Quanto a essa história do encontro com o Pastor, tenho quase que certeza de que não aconteceu esse fato como narrado, nos documentos que tenho, a referencia religiosa de Silvino era inclusive um grande tabu para aquela época, ele era médium, mas só entendeu isso depois de sua prisão onde se alfabetizou e recebeu de Presente o Evangelio segundo o espiritismo de uma senhora chamada Dona Candoca no ano de 1925, ele concedeu entrevista ao jornal pequeno onde responde a pergunta do repórter dizendo que se tornou espirita e que achava os evangélicos gente boa. (mariaquiteria2012@gmail.com)

Sidney Horta disse...

CHEGA DE DÚVIDAS GENTE , MESMO QUE O PRÓPRIO ANTONIO SILVINO DEIXASSE UM RELATO DE VERACIDADE ASSIM MESMO VOCÊS DUVIDARIAM PORQUE SE TRATA DE EVANGÉLICOS ,SE FOSSE CATÓLICOS DAÍ TERIA SIDO MILAGRE , VERDADE , FATO VERÍDICO MAS É SABIDO QUE OS CANGACEIROS PORTAVAM A FAMOSA PAPO AMARELO 44 WINCHESTER DE CANO DUPLO , UM DE CARGA E OUTRO DE DESCARGA E FIM DE PAPO ! QUANTO AO CAPITÃO ANTONIO SILVINO VAGOU POR TODO NORDESTE E SE CONTENDEU COM O BANDO DE SINHÔ PEREIRA POR VÁRIAS VEZES E ELES USAVAM ESPINGARDA CARTUCHEIRA PARA CAÇAR AS AVOANTES DO SERTÃO SIM SENHOR !

















Sidney Horta disse...

ERA MUITO COMUM AS CARTUCHEIRAS DE CANO DUPLO NO SERTÃO PARA CAÇAR AS AVOANTES ASAS BRANCAS E QUANTO AS PAPOS AMARELAS 44 WINCHESTER TEM CANOS DUPLOS SIM SENHOR !ANTONIO SILVINO SE BATEU CONTRA O BANDO DE SINHÔ PEREIRA VÁRIAS VEZES LEVANDO VANTAGENS EM ALGUMAS VEZES E ERA BEATO CATÓLICO INFLUENCIADO PELO PADRE CELESTINO DE PERNAMBUCO QUE NÃO PERMITIA QUE OUTRA FÉ SE INSTALASSE EM SEU REBANHO HISTÓRIA CONTADA DE GERAÇÃO EM GERAÇÃO ATÉ NOS CORDÉIS DOS SERTANEJOS !