terça-feira, 6 de agosto de 2013

Cordel na praça

"Lampião e Volta-Seca em Itabaiana"

Quarto livro do escritor Robério Santos (primeiro em versos) conta as desventuras de Lampião e Volta Seca em Itabaiana-SE em 1929. Fantasia misturada com realidade tem como pano de fundo uma cidade dominada por coronéis e as ruas antigas da Velha Loba.

Conta também com uma série de ilustrações do artista plástico e arquiteto Melcíades e um mapa exclusivo de Itabaiana em 1929 confeccionado por José de Almeida Bispo.

O autor planeja para 2014 o lançamento de "O Cangaço em Itabaiana Grande", livro que já está no prelo e há tempos já vem sendo aguardado.

"Lampião e Volta-Seca em Itabaiana é a certeza de que nossa Literatura de Cordel ainda tem muito a revelar. Robério, escritor e grande agitador cultural do Agreste Sergipano – no melhor sentido possível da agitação – nos presenteia com um cordel alicerçado em vasta literatura e na rica tradição oral que persiste no interior do Brasil.

Tudo bem que o leitor desavisado pode tropeçar na linguagem coloquial que deixa de ser apenas sonoridade e se transforma em imagens, desenhos ortográficos, recriação e revitalização linguística. Entretanto, ao destravar a língua, sobrará poesia, informação, formação e prazer, muito prazer. Viva o Cordel! Viva Cordel! Viva o Cordé..."

Anderson Da Silva Almeida
(Autor de “Cordel Pra Velha Loba”)

O livro possui 60 páginas e custa R$ 20,00 (Vinte reais) com frente incluso.
Quer comprar? Ligue (79) 9969-5819
Ou envie um e-mail roberiosantos@hotmail.com

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

ROBÉRIO SANTOS nasceu no município de Itabaiana, Estado de Sergipe.

Escritor, retratista, jornalista, professor e profundo amante da cultura de sua terra tem em sua história literária três outros livros: O Vendedor de Sereias (2011), Joãozinho Retratista (2011) e O Livro Branco da Fotografia (2012) e do inédito Álbum de Itabaiana (2013) em parceria com Vladimir Souza Carvalho. Membro da Academia Itabaianense de Letras onde ocupa a cadeira número 12, onde o patrono é João Teixeira Lobo (Joãozinho Retratista). Este é seu primeiro trabalho em Cordel.