quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Testemunhas vivas

LEMBRANÇAS LUMINOSAS DE UM "CANDEEIRO"  
 
Manoel Dantas Loyola sobreviveu a Angicos. Na época do cangaço, era conhecido como Candeeiro. Pernambucano de Buíque (a 258 quilômetros do Recife), ingressou no bando de Lampião em 1937, mas afirma que foi por acidente. Trabalhava em uma fazenda em Alagoas quando um grupo de homens ligados ao famoso bandido chegou ao local. Pouco tempo depois, a propriedade ficou cercada por uma volante e ele preferiu seguir com os bandidos para não ser morto. 


Hoje com 93 anos de idade, Candeeiro vive como comerciante aposentado na vila São Domingos, distrito de sua cidade natal. Atende pelo nome de batismo, Manoel Dantas Loyola, ou por outro apelido: "seu Né". No primeiro combate com os "macacos", Candeeiro foi ferido na coxa. "Era muita bala no pé do ouvido", lembra. O buraco de bala foi fechado com farinha peneirada e pimenta.


"CANDEEIRO":
Teve o primeiro encontro com o chefe na beira do Rio São Francisco, no lado sergipano.

"Lampião não gostava de estar no meio dos cangaceiros, ficava isolado. Quando soube que eu era de Buíque/PE, comentou: "sua cidade me deu um homem valente, Jararaca'".
Candeeiro diz que, nos quase dois anos que ficou no bando, tinha a função de entregar as cartas escritas por Lampião exigindo dinheiro de grandes fazendeiros e comerciantes. Sempre retornava com o pedido atendido. Ele destaca que teve acesso direto ao chefe, chegando a despertar ciúme de Maria Bonita. Em Angicos, comentou que o local não era seguro. Lampião, segundo ele, reuniria os grupos para comunicar que deixaria o cangaço. Estava cansado e preocupado com o fato de que as volantes se deslocavam mais rápido, por causa das estradas, e tinham armamento pesado. No dia do ataque, já estava acordado e se preparava para urinar quando começou o tiroteio.

"Desci atirando, foi bala como o diabo" . "Mesmo ferido no braço direito, conseguiu escapar do cerco".
Dias depois, com a promessa de ser não ser morto, entregou-se em Jeremoabo, na Bahia, com o braço na tipóia. Com ele, mais 16 cangaceiros. Cumprindo dois anos na prisão, o Candeeiro dava novamente lugar ao cidadão Manoel Dantas Loyola. Sobre a época do cangaço, costuma dizer que foi "história de sofrimento". Mas ainda é possível perceber a admiração por Lampião.

"Parecia que adivinhava as coisas", lembra. Só não quis ouvir o alerta dado na véspera da morte, em 1938".

Transcrito por Ivanildo Silveira 
Natal, RN

OBS: Ivanildo não nos indica o autor, somente a fonte: Diário de Pernambuco. 

4 comentários:

Charles disse...

Tive o prazer de vistá-lo em três oportunidades, sempre em sua residência em Buíque-Pe.

Anderson Sá disse...

Oi Charles. Seria um imenso prazer p mim conhecer este cangaceiro. Como faço?
No aguardo.

Mendes e Mendes disse...

Dr. Ivanildo Alves da Silveira:
O confrade tem dados familiares do cangaceiro Candeeiro?
José Mendes Pereira - Mossoró-Rn.

PMPE disse...

Com muito orgulho sou sobrinho neto do seu né...homem descente que viveu momentos de gloria e tristeza...

reginaldo dantas