terça-feira, 19 de junho de 2012

A força do coronel

Documento que conferia prerrogativas especiais aos ex-integrantes da Guarda Nacional:

Por Dênis Artur Carvalho

Eis a carta-patente que pertenceu ao Cel. João Militão da Silva Barros.



Tradução:

Junta Militar do Município de Floresta, 23 de Agosto de 1937.

Honras e garantias aos oficiais da Guarda Nacional.

A lei n° 602 de 19 de setembro de 1850, conferiu aos senhores Oficiais da Guarda Nacional as mesmas honras e garantias que competem aos Oficiais do Exército e Armada Nacional (Artigo 60 e 66), tendo o Decreto n° 13.040, de dezembro de 1918, que extingue a aludida guarda, lhes assegurando, como não podia deixar de fazê-lo, tais prerrogativas, assim dispondo no número um do parágrafo 1° do artigo 22, os oficiais da Guarda Nacional continuam nos gozos de seus direitos de acordo com a lei em vigor, não podendo serem recolhidos a prezídios [sic] destinados a réus de crimes comum. Parecer n° 85 de 7 de setembro de 1936 do Supremo Tribunal Federal e Justiça Militar do Boletim diário n° 79 de 23 de setembro de 1936. (Assignado)

Antonio Luiz Cavalcante d’Albuquerque.
O major à quem foi conferido esse documento foi preso e mandado à cadeia pública do Recife pela símples acusação de acoitar cangaceiros (o que realmente aconteceu, mas quem seria o louco de expulsar 93 homens armados de seu "terreiro", vindos do combate da Tapera?).



Cel. João Militão da Silva Barros  

Essa famosa questão da "injustiça social e miséria" não está apenas relacionado ao coronelismo. E cangaceiro também não é o "herói" que assaltava as fazendas e distribuía os saques com os "flagelados" da seca, como muitos acreditam.

Não defendo a tese do "banditismo social" e nem puxo a toalha para nem um dos lados, mas colocar os "coronéis"  como únicos responsáveis pelo surgimento do banditismo e considerá-los pior de que estes é uma tremenda injustiça.

Sinhô Pereira era descendente de barão, membro de uma das famílias dominantes da região, muitas vezes até chamado de "coroné" e mesmo assim era cangaceiro. Então, não combina essa questão de "os oprimidos rebeláram-se contra seus opressores".

Um abraço e desculpa as entrelinhas.

Dênis Artur Carvalho.


Um comentário:

CAVALEIROS DA AMIZADE disse...

PARABÉNS POR MAIS UMA BELA MATÉRIA, E POR ENCONTRAR ESTES DOCUMENTOS HISTÓRICOS...