terça-feira, 31 de maio de 2011

Mas cadê Geraldo e Dr. Leandro?

O povo quer notícias do Rio!

Ói os homi aí!
Ontem foi o prazo final! Já estava a me perguntar e sendo cobrado pelas notícias do seminário na ABL. Nenhum, dos nossos dois confrades de SBEC haviam  se manifestado, Cai em sí, - Tá! os cabra tão é curtindo a paisagem da cidade maravilhosa que só não é mais bonita que a do sertão, daqui a pouco eles desembanham os comentários... E de repente como se macomunados numa sincronia os amigos Dr Leandro Cardoso e Geraldo Ferraz enviaram emails com minutos de diferença.

Caros amigos do Lampião Aceso
Saudações!

Foi um momento muito importante para o estudo do Cangaço, que agora ultrapassa os umbrais da Casa de Machado de Assis. A presença de Geraldo e Vera também foi algo inusitado: o neto de um dos mais tenazes perseguidores de Lampião e a neta do próprio, neste momento de confraternização em prol da nossa História e da nossa Cultura. Na minha participação fiz questão de apontar para trabalhos referenciais da Literatura específica do Cangaço, como algumas obras dos mestres Amaury e Frederico Pernambucano. É a nossa SBEC mostrando força e vigor.
Grande abraço, Leandro Fernandes! 

Vamos ao resumo elaborado pelo assessoria de comunicação da Academia anexada por Geraldo. 


SEMINÁRIO ‘BRASIL, brasis’ DA ABL SOBRE  A RELAÇÃO ENTRE O CANGAÇO E A LITERATURA MOBILIZA INTERESSE DE INTELECTUAIS, ESTUDANTES E
PERSONALIDADES

Dois auditórios da Academia lotaram com um público que assistiu às quatro palestras. A professora Vera Ferreira, neta de Lampião e Maria Bonita, veio de Aracaju e participou da Mesa. Também participou o escritor Geraldo Ferraz, neto do major Theophanes Ferraz, comandante das tropas contra o cangaceirismo que chefiou a luta contra Lampião e seu bando. Em sua opinião, "a Academia está fazendo história, ao reunir num debate os dois netos famosos com duas visões distintas, mas o mesmo interesse em torno da veracidade dos fatos".




O Teatro R, Magalhães Jr. e a Sala José de Alencar (esta com um telão) da Academia Brasileira de Letras (ABL) ficaram lotadas de acadêmicos, personalidades do mundo político, empresarial e da cultura, além de estudantes do ensino médio e universitários , para o debate em torno do tema "O cangaço e a Literatura", dentro do segundo Seminário “Brasil, brasis” de 2011,na quinta-feira, dia 26.


Geraldo Ferraz, Carlos Nejar e Leandro Cardoso
A coordenação geral foi do Acadêmico Marcos Vinicios Vilaça, Presidente da ABL, e a coordenação da mesa, do Acadêmico Carlos Nejar. Os conferencistas convidados foram Antonio Campos, Leandro Cardoso Fernandes, Felipe Fortuna e Geraldo Ferraz. Vera Ferreira também fez um depoimento a respeito das pesquisas que tem realizado em torno da trajetória de seus avós e a história do cangaço, tema que resultará em um livro a ser por ela proximamente publicado.

 "A ABL se rejubila com o interesse provocado pelo debate. O comparecimento maciço e o alto nível das discussões confirmam o rumo certo da Academia, ao abrir suas portas para discutir todo e qualquer tema que diga respeito ao interesse cultural da sociedade. Queremos trazer para esta Casa os saberes vários e todas as manifestações históricas e artísticas. O papel da Academia é o de preservar e valorizar a memória nacional: a língua como instrumento do conhecimento e da convivência; as letras como reveladoras e formadoras da identidade nacional, sem deixar de fora nada que é humano. E o Seminário “Brasil, brasis”, sobre “O cangaço e a Literatura”, nos revela também este lado humano”, afirmou o Presidente Marcos Vinicios Vilaça.

Vera Ferreira, neta de Lampião e Maria Bonita e filha de Expedita, dedica-se exclusivamente à concretização de um de seus sonhos: escrever um livro baseando-se nas histórias que levantou ao longo de seus 27 anos de pesquisa. Vera disse que, desde criança, cresceu ouvindo contar histórias sobre seus avós e seu cotidiano. Fato que foi enriquecido pela companhia de pessoas que viveram as histórias deles e de outros cangaceiros.

Na Mesa, ela informou acerca de suas lembranças de fatos de ex-cangaceiros, ex-volantes, ex-coiteiros e pessoas que conviveram com eles." O que mais me marcou- afirmou - foi a confirmação de que meu avô era um homem de palavra e que minha avó, que faria em 2011 cem anos, era uma pessoa alegre. O convite da Academia me deixou muito contente, até porque estamos debatendo um assunto que me é apaixonante, o cangaço. Acho importante essa troca de informações num espaço onde temos pessoas que lêem, escrevem e ouvem", disse..
  
Vera Ferreira e Geraldo Ferraz

Os conferencistas

Poeta, advogado, editor e empresário, Antonio Campos está à frente do Instituto Maximiano Campos, organização não governamental voltada para a arte literária, e também da Editora Carpe Diem. Ele também é curador da Festa Literária Internacional de Pernambuco, a Fliporto, e autor de diversas obras, entre elas: “Diálogos no Mundo Contemporâneo: por uma Cultura de Paz”; “A reinvenção do livro”; e “Diálogos Contemporâneos”.

Médico cardiologista e ecocardiografista pela Escola Paulista de Medicina, Leandro Cardoso Fernandes é autor do livro “Lampião: A medicina e o cangaço”, em parceria com Antonio Amaury Corrêa de Araújo. Poeta, também é autor do folheto “Sinhô Pereira – o homem que chefiou Lampião. Articulista, colaborou com artigos sobre o cangaço com revistas e jornais, além de ser consultor em filmes e documentários.

Felipe Fortuna é poeta, ensaísta e diplomata. Mestre em Literatura Brasileira, colabora regularmente com os principais jornais dom país. Estreou com o livro de poemas “Ou vice-versa”, em 1986. Felipe Fortuna também publicou os livros “Curvas, ladeiras – Bairro de Santa Teresa” e “Visibilidade”, de ensaios. Traduziu a obra integral do poeta renascentista Louise Labé, no volume “Amor e loucura”.


Geraldo em momento de palestra
Geraldo Ferraz é formado em Administração de Empresas pela Faculdade de Ciências Humanas Esuda, de Pernambuco, em 1978. Em seguida, cursou pós-graduação em Administração Pública pela Faculdade de Administração de Pernambuco. Artista plástico e escritor é, também, autor do livro “Pernambuco no tempo do cangaço”. É integrante de muitas instituições literárias, entre elas a Academia de Artes e Letras do Nordeste, onde ocupa a Cadeira nº 29 e exerce, atualmente, a vice-presidência.

Antonio Carlos Athayde
Academia Brasileira de Letras (ABL)
Assessor de Imprensa
(21) 3974 2552
(21) 8622 2361
acathayde@academia.org.br
www.academia.org.br

3 comentários:

João de Sousa Lima disse...

Caríssimo Kiko,
quero parabenizar aos confrades Geraldo Ferraz e Dr. Leandro Cardoso pelo momento vivido e por ter levado um tema ainda difícil de se estudar mais que hoje faz parte da história do Brasil.
aos amigos devemos a honra de representar nossos estudos e impor suas considerações diante de um público tão seleto e interessado.
grande abraço
joão de sousa limna

ADERBAL NOGUEIRA disse...

Parabéns Geraldo, Leandro e Vera. Temos orgulho de tê-los na casa mais nobre do Brasil com o tema que tanto nos encanta. Como diz o ditado." A UNIÃO FAZ A FORÇA". Aderbal Nogueira

Anônimo disse...

Fico feliz quando vejo instituições como ABL abrir espaço para o estudo da temática do cangaço, parabéns ao amigos que estiveram na Academia.

Angelo Osmiro
Fortaleza