sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Gêneros

Cangaço em quadrinhos
 

A canga é uma peça de madeira que prende o boi à carroça ou à moenda facilitando o uso de sua força para trabalhos variados. Dito isto, fica fácil pensar nos cangaceiros como homens revoltados com a "canga" imposta por uma vida de dores e sofrimentos, ou em homens aptos a impor por meio da força bruta a "canga" sobre outros. A entrega dos homens ao banditismo no sertão brasileiro deu-se inicialmente em meados do século 18, num contexto social onde imperavam a falta de perspectiva, a miséria e a fome física aliada à de justiça. Esse cenário cheio de contradições e possibilidades inspirou (e inspira até hoje) inúmeros romances, filmes e histórias em quadrinhos.

É interesante ver o fascínio que o cangaço (como tema e gênero notadamente brasileiro) exerce sobre artistas de diferentes origens e culturas, desde o alemão Hermman aos italianos Sérgio Bonelli e Hugo Pratt. Seja pela crueldade, seja pelos ares de revanchismo que assumem, as ações dos bandoleiros do sertão nordestino adquirem tons e formas distintas em cada versão artística proposta. Gedeone Malagola, por exemplo, quadrinizou as aventuras de um cangaceiro inspirado pelo ator Milton Ribeiro, do filme "O Cangaceiro" de 1954 que teve roteiro de Raquel de Queiroz. O paraibano Emir Ribeiro, em 1979, criou Severino, um agricultor que entra para o cangaço no intuito vingar sua falecida esposa morta nas mãos de cruéis fazendeiros.

O Lampião tradicional ganha uma versão ímpar nos desenhos vigorosos e estilizados de Flávio Colin na obra "Mulher-Diaba no rastro do Lampião", definitivamente um clássico das HQs brazucas. Jô Oliveira no álbum "A guerra do Reino Divino" não ignora a importância dos cangaceiros para se pensar a história e a narrativa nordestina e é a hisória verídica de Virgulino Ferreira que aparece em "Lampião, era o cavalo do tempo atrás da besta da vida" de Klévison Viana.



Nem todos os autores tratam o tema com o mesmo tom. Henfil transferia para seu cangaceiro, Zeferino, sob a égide do humor, pesadas críticas à sociedade brasileira e suas relações de poder. Ainda no humor, entretanto num tom mais ameno, o Xaxado de Cedraz também apresenta seus momentos de crítica e mostra-se um personagem versátil em HQs, tiras e material institucional. O Capitão Rapadura do cartunista Mino, este também de maneira humorada, mistura um visual inspirado pelos cangaceiros nordestinos com o gênero super-herói.
O mineiro Mozart Couto e o pernambucano Watson Portela foram responsáveis por uma releitura interesante do visual e cenários do gênero cangaço fazendo uso do tipo inserido em contextos de fantasia ou de ficção científica.

Em leituras recentes o genero aparece em "Cangaceiros, homens de couro" que tem roteiro de Wilson Vieira, desenhos de Eugênio Colonnese e capa de Mozart Couto. A trama retoma a trajetória da vida de Virgulino.

O Cabeleira adaptado do romance homônimo de Franklin Távora ganha vida nos quadrinhos pelo trabalho da equipe formada por Leandro Assis, Hiroshi Maeda e Allan Alex, os dois primeiros, roteiristas e este desenhista. Fora a qualidade intrínseca do texto há que se observar o ótimo uso dos recursos da narrativa do quadrinho. E é na narrativa criativa e na inovadora união entre cordel e quadrinhos que o cangaceiro Bravo Jan acerta em cheio materializado pela arte de Anilton Freires e texto de Alex Magnus.


Se houvesse uma cadência constante na publicação de títulos nacionais o gênero cangaço muito provavelmente integraria uma boa porcentagem dessas publicações já que dentro do cenário geral do que historicamente tem sido publicado de quadrinhos no Brasil o cangaço ocupa um espaço nobre.

Os títulos e autores aqui citados são apenas um apanhado geral, uma iniciativa de listar por amostragem alguns cangaceiros criados para os quadrinhos, provavelmente muita coisa ficou de fora. Se você conhece outros autores e personagens que gostaria de acrescentar à lista citada deixe a dica nos comentários que ficaremos muito gratos e com isso podemos preparar um material complementar a este.

Açude: Armagem Herética

2 comentários:

Rubervânio Rubinho Lima disse...

amigão.
Faltou o senhor relatar os trabalhos belíssimos dos cabras desenhistas daqui de paulo afonso, homi...
"Sertão vermelho 1 e 2"

Kiko Monteiro disse...

Confrade Rubinho a pesquisa não é nossa, foi uma matéria ripada do blog "Armagem herética" e o responsável pela seleção dos trabalhos e JJ Marreiro. O link está no rodapé envie comentário semelhante para que as obras citadas sejam devidamente incluidas. Como não posso alterar o texto original fica válida vossa sugestão aos leitores.

Abraçando!